12 coisas que eu aprendi sendo mãe!

Eu escrevi e deletei umas 10 vezes este parágrafo. Já disse o quanto passou rápido, também falei da intensidade com que eu vivi este último ano, do amor que eu sinto por ele, etc, etc, etc.. Resolvi então fazer algo diferente e me propor um desafio pra comemorar o primeiro ano do Dudu: Botar a cachola pra funcionar e falar sobre 12 coisas que eu aprendi nos últimos 12 meses.

  1. Ser mãe não é maravilhoso! Este texto foi a maior auto-análise que eu tive capacidade de fazer na minha vida. Não poderia deixar de falar. A recompensa por ser mãe é que torna tudo maravilhoso, mas ser mãe, de fato, não tem nada a ver com comercial de margarina.
  2. Passei a valorizar e entender muito mais a minha mãe. Embora eu seja um pouco travada (não parece, eu sei!) e não consiga dizer exatamente essas palavras pra ela.
  3. Percebi que preciso me policiar com os palavrões que costumam saltar da minha boca. Ainda não consegui, mas já aprendi que preciso mudar! É um começo, certo? Rs..
  4. Comi mamão e banana fazendo cara de “Que delíciaaa!”. Eu tenho um sério problema em comer frutas, já me disseram até que é psicológico e que deveria me tratar. Fato é que a “paposa” – assim que eu defino a textura – das frutas me dá calafrios. Nada contra sucos e batidas, o negócio é a papa ruim mesmo.
  5. Descobri que por mais que eu esteja no meu pior dia, ele tem a capacidade de me fazer ficar feliz e esquecer dos problemas instantaneamente, mesmo com o sorriso mais “xoxo” que ele apresente. Ali, tudo passa.
  6. A cada mês que passa o amor aumenta. E em uma progressão geométrica desenfreada.  Ser mãe é amar tanto que chega a doer. E como dói.
  7. Vi que de perto, nenhuma família é normal! Tenho a oportunidade de conversar com muitas mães que, entre um desabafo e outro, me fizeram perceber que todo mundo, mas todo mundo mesmo, vive uma vida bem longe de ser perfeita. O que importa mesmo, além do amor, é saber aceitar o outro e ceder. Sempre fui de criar muitas expectativas. Agora sou muito mais pé no chão.
  8. 95% dos meus programas favoritos são os programas favoritos dele. Os 5% restantes representam meu descanso, pra que eu volte a assistir Galinha Pintadinha (com direito a coreografia e saltos circenses com ele no colo) e leve ele pra correr na rua e ver todos os “uauaus” que ele quiser.
  9. Aprendi que álcool à noite e Dudu de manhã, com certeza, não combinam. Por mais moderado que seja.
  10. Depois que virei mãe comecei a “me achar” mais! Represento uma fortaleza pra ele (pelo menos pelos próximos anos, até ele perceber que os pais não têm superpoderes), e isso me torna mais forte e confiante. Receber esse tsunami de carinho todos os dias me dá força pra correr atrás das coisas que eu quero com coragem e mais vontade!
  11. Tenho vontade de ser uma pessoa melhor, todos os dias. Saber que você é o exemplo de alguém é maravilhoso, mas é a maior responsabilidade que eu posso carregar na minha vida.
  12. Descobri que eu posso sim, me arrumar em 5 minutos, me maquiar em 4 minutos, e que fazer xixi enquanto eu escovo os dentes é um perfeito otimizador de tempo!

Ter criado este blog foi definitivamente a melhor coisa que eu fiz, depois do Dudu é claro. É a melhor terapia que eu poderia fazer, e ainda por cima grátis! Obrigada a todas que me fazem continuar escrevendo por aqui!

E mais ainda, obrigada ao Eduardo por me proporcionar tudo isso!

Anúncios

Frases inspiradoras – e desanimadoras.

Algumas verdades sobre o que é ter filhos.

As frases estão em inglês e, como ninguém tem obrigação de saber, coloquei a tradução em cada uma.

Pessoas que dizem que dormem feito os bebês, geralmente não tem um.

Um bebê torna o seu amor mais forte, os dias mais curtos, noites mais longas, diminui sua conta bancária, faz sua casa mais feliz, deixa suas roupas mais velhas, faz o passado ser esquecido e faz o futuro valer a pena.

Crianças precisam de amor, especialmente quando elas não merecem.

Um bebê preenche um local em seu coração que você nunca soube estar vazio.

Faça aquilo que você sente que é certo, pois você receberá criticas de qualquer forma.

Se o seu bebê é perfeito, nunca chora, dorme no horário e arrota sempre que precisa e é um anjo o tempo todo – você é a avó.

Tomar a decisão de ter um bebê é algo que se faz por um momento. É decidir ter para sempre seu coração, andando por aí, fora de seu corpo.

Bebês sempre são mais complicados do que você imaginava – e mais maravilhosos.

Fonte: Preagnant Chicken

Ser mãe NÃO é maravilhoso!

Dormir tarde todos os dias com hora pra acordar. Acordar todas as noites sem hora pra voltar a dormir. Mil refeições interrompidas. Festas e eventos perdidos. Cabelo mal cuidado, unhas por fazer, olheiras fundas. Dificuldade imensa de voltar ao peso normal. Toneladas de roupas sujas por dia. Galinha Pintadinha ao invés de Avenida Brasil. Não conseguir tomar banho e ir ao banheiro na hora que bem entender. Estar em segundo plano na sua própria vida.

Oferecer de 6 a 7 refeições de 30 minutos por dia. 8 a 10 trocas de fralda de 8min cada. 1 banho de meia hora (só aí fecharam 5 horas e meia). Trocar de roupa, brincar, contar história, estimular, distrair, ensinar, educar. Levar pra ver bichos, mato, areia. Levar jatos de xixi. Aguentar choro, birra e manha. Correr atrás. Correr atrás. Correr atrás.

Ter duas opções: uma casa organizada não que te permite viver a vida ou viver desencanada em uma bagunça (isso que tenho personal colega, e quem não tem??) Não ter objetos de decoração abaixo de um metro de altura. Passar o dia sem desligar um segundo.

Depois de 10 meses, concluí que ser mãe não é maravilhoso. Sinto muito se eu frustrei você. Talvez você possa ter lido na Caras, sobre o quão fácil e delicioso é ter um filho e como todas as famílias são lindas e perfeitas, e como os bebês das revistas não fazem cocô fedido, e como as mães tem tempo pra tudo e são supermulheres. .. Alô? Planeta Terra chamando!

Repito. Ser mãe não é maravilhoso. Maravilhoso é o amor imenso e fora do normal, que me leva fazer TUDO isso – com disposição e boa vontade – e me faz sentir o ser mais feliz e completo do mundo. O que eu ganho em troca? Sorrisos, gargalhadas e a oportunidade emocionante de acompanhar sua evolução. Parece pouco perante o trabalho que dá. Mas quem é mãe, só que é mãe, sabe que esse é o amor na sua forma mais simples e verdadeira. Que preenche tudo e me faz dar um sorriso, todas as manhãs, ao acordar e ver a pessoa mais importante da minha vida.